Durante a 33ª Superminas, Euler Nejm conta a trajetória do grupo Super Nosso

17/10/2019 Noticias

Durante a 33ª Superminas,   Euler Nejm conta a trajetória do grupo Super Nosso

No terceiro e último dia da Superminas, uma grande atração foi a palestra do presidente do Grupo Super Nosso, Euler Fuad Nejm, uma das maiores lideranças do segmento supermercadista mineiro.

Com o auditório “Diamante”, o principal do Expominas, completamente cheio, o público assistiu à apresentação de “A escada e a porta: trajetória de ação”, uma palestra com título homônimo do livro que narra a história de vida de Euler Nejm. 

 Antes da palestra,  foi apresentado um vídeo institucional do grupo, quinta maior empresa supermercadista mineira, com faturamento de R$ 2,3 bilhões e 50 lojas.

Mesclando trechos da vida de empresário e da convivência em família, a palestra foi desenvolvida sempre com frases de motivação e reflexão, como a importância de a pessoa  estar bem consigo mesma tanto no ambiente familiar, quanto no profissional. "Se estivermos bem em casa, vamos estar bem  o trabalho. Se estivermos bem no trabalho,  vamos estar bem em casa", lembra Nejm.

 A trajetória do Grupo Super Nosso teve início na região central de Belo Horizonte, com o nome de Comercial Santa Tereza. Foi lá que Euler Nejm começou a trabalhar e já aos 12 anos de idade teve seu primeiro registro profissional em carteira. “Meu pai me levava para trabalhar achando que estava me dando castigo, mas eu gostava de ir”, contou durante a palestra.

Com a experiência de quem começou a trabalhar cedo junto com o pai, ele destacou também a importância de os empresários preparem a sucessão na empresa. Sempre citando a atuação dos filhos Rodolfo Nejm e Rafaela Nejm, ele falou do encaminhamento da sucessão da empresa. "Eu não tenho herdeiros,  e sim sucessores".

Euler  falou também da necessidade de  a empresa manter-se sempre em crescimento, especialmente no momento de aumento da concorrência.  "Não podemos parar, principalmente no nosso ramo", disse. "Não é sair abrindo lojas, mas acompanhar as mudanças". Alertou também quanto à necessidade de contenção de custos e "fechar todas as torneiras" porque o setor é um prestador de serviços ao consumidor e, disse, o resultado é feito nos detalhes.

Na fase final da palestra, Euler deixou ainda dois grandes ensinamentos: sobre a importância de valorizar as pessoas e ter foco no negócio. “Não tem pessoa errada ou ruim, às vezes ela está mal colocada” disse. “Eu não me vejo incapaz de nada. Sou capaz de tudo, às vezes eu não estou preparado, mas não incapaz”. Quanto a ter foco, ele lembrou que atua em vários segmentos (atacarejo, loja gourmet, loja de proximidade, e-commerce, distribuidora e indústria), mas, perguntado pelos participantes, não disse qual é o melhor.  Na definição do negócio, disse, tem que ser assertivo nas escolhas e não mudar o foco.  “Eu vejo que o melhor negócio é a aquele em que você foca e põe o coração. Esse é o que vai dar certo”.